Header Ads Widget

Últimas

6/recent/ticker-posts

Foto de menino desanimado ao voltar para escola viraliza nas redes sociais

(Foto: Arquivo Pessoal)

A volta às aulas presenciais causa uma série de sentimentos nos pequenos! Tem criança que já corre para dentro da escola, mas para alguns esse retorno nem sempre é fácil. Esse é o caso do pequeno Kael, de 6 anos. Na última semana, sua foto viralizou no Twitter. Isso porque o aluno, do primeiro ano do ensino fundamental, fez uma carinha bem desanimada — talvez refletindo o sentimento de muitas pessoas nesse momento de pandemia —  ao voltar para a escola, depois de quase dois anos tendo aulas online.


Em entrevista exclusiva à CRESCER, Katiusse Florentino da Mota, mãe do estudante, conta que o filho desde os 3 anos frequenta a escola. No entanto, com a disseminação da covid-19, assim como muitas crianças, o pequeno precisou se adaptar ao ensino online e foi alfabetizado nesse período. No entanto, a família, que mora em Uruaçu (GO), mesmo com os desafios, conseguiu lidar bem com isso. "Entendo que a pandemia impactou negativamente as famílias com crianças pequenas e que os prejuízos foram ainda maiores para as crianças em etapa de alfabetização. Entretanto, considero que a nossa família é privilegiada em relação ao tempo e disposição de fornecer estímulos diversos, como jogos lúdicos e brincadeiras", disse a mãe, 34, que é artesã e tem uma página no Instagram (@brincatelie), que divulga seu trabalho com brinquedos educativos.


Katiusse relata que o filho não frequentava a escola presencialmente desde o primeiro trimestre de 2020. Mesmo quando as unidades de ensino voltaram, presencialmente, de forma facultativa, a família escolheu mantê-lo nas aulas online. "Optamos por questão de segurança, já que a avó e a bisavó paternas (que são minha rede de apoio), não quiseram cortar o vínculo com as crianças. Então de fato, o dia da foto foi o primeiro dia de escola desde março de 2020", explica a artesã.


O isolamento

Durante o período de distanciamento social, a família auxiliou o menino nos estudos e até o final do primeiro ano da pandemia, Katiusse ressalta que o filho já estava com leitura fluente, "excelente interpretação de texto e fazendo cálculos de soma e adição". 


Em relação à rotina durante o isolamento, a mãe montou uma força-tarefa para acompanhar o desenvolvimento do filho, já que ela estava estudando e trabalhando de casa. "Alternávamos entre nossa casa e a casa da vovó e da bisa. Nos unimos bastante nesse período e podemos dizer que as crianças não vivenciaram de maneira intensa o peso do que foram esses dois anos. Obviamente que entre os estudos e as brincadeiras, passamos também pelo uso maior do que gostaríamos de jogos eletrônicos", conta ela, que também é mãe do pequeno Felipe, de 8 anos. 


Katiusse diz que em sua casa não há televisão, no entanto, ainda sim, é muito desafiador controlar o uso de eletrônicos. Por isso, a mãe recorria para fazer atividades ao ar livre e também jogos em família, como Uno, damas e xadrez. Além disso, a família acolheu gatinhos de rua.


A volta 

Neste ano, o pequeno Kael voltou para as aulas presenciais e sua reação com esse retorno acabou virando uma situação inusitada. Katiusse relata que o filho precisou se adaptar a novas mudanças. Ele saiu da escola particular para a pública e também mudou para o turno da manhã, o que impactou significativamente sua rotina. "Kael é uma criança que dorme muito. Era aquele tipo de bebê que tinha que ficar olhando constantemente se estava tudo bem porque dormia muito (o irmão já é o extremo oposto, tive muita dificuldade para regular o sono dele)", contou a artesã. "Kael não só dorme muito, como precisa dormir muito para regular seu humor. Então já prevíamos que acordá-lo às 6 horas da manhã seria um baita desafio", acrescentou.


Para tornar essa mudança um pouco mais tranquila, a mãe começou, antes de iniciar as aulas, a adaptá-lo à nova rotina. O menino passou a ser acordado mais cedo do que o habitual. E, então, no primeiro dia de aula, a avó ficou responsável por levá-lo à escola. Inclusive, a foto que acabou viralizando foi tirada por ela para atualizar a família como estava sendo o primeiro dia do pequeno. 


Após fazer o registro, a avó postou a foto de Kael no grupo da família com a seguinte legenda: "A animação do primeiro dia de aula”. O pai, então, achou engraçado e decidiu postá-la em suas redes sociais, o que fez com que a imagem ganhasse uma enorme repercussão — foram mais de 30 mil compartilhamentos. "Eu recebi a notícia da viralização pela tia, que me ligou e leu alguns dos comentários e demos muitas risadas!  Todos nós adoramos memes, eu mesma preciso de doses diárias de memes, chamo de memeterapia [risos]. 


Mas nunca imaginei que a foto do meu filho poderia se tornar um viral. Enfim, toda a nossa família levou o assunto de maneira muito leve". No início, Katiusse ficou com medo da reação do filho, que é muito tímido, porém, logo relaxou, já que o menino levou tudo na brincadeira.


Fonte: Revista Crescer

Postar um comentário

0 Comentários