Header Ads Widget

Últimas notícias

6/recent/ticker-posts

Estudante leva tiro na cabeça e só descobre 4 dias depois, no Rio de Janeiro

Foto: Arquivo pessoal

O estudante Mateus Facio, de 21 anos, morador de Juiz de Fora (MG), levou um tiro na cabeça e só descobriu quatro dias depois. Ele foi atingido durante o Réveillon, em uma praia de Cabo Frio, no Rio de Janeiro, segundo reportado pelo g1.

Mateus estava com amigos e sentiu um forte impacto na cabeça, mas achou que tinha sido atingido por uma pedra. Um médico do grupo chegou a conter o sangramento e colocou gelo no local do ferimento.

"Achei que fosse uma pedrada, uma brincadeira de mau gosto, que alguém pegou e tacou uma pedra. Até porque eu não escutei nada. Se tivesse um barulho, eu poderia imaginar que poderia ser. Só que não escutei nada, estava completamente normal”, disse.

"Fui tirar um cochilo e acordei com o braço um pouco bobo, a mão com movimento estranho, sentia os dedos mexendo, mas não tinha confiança para pegar uma coisa”, relatou. O estudante deu entrada em um hospital e descobriu uma bala de 9 mm alojada na cabeça.

Mateus foi submetido a uma cirurgia de duas horas para a retirada do projétil. Ele passou dois dias no Centro de Tratamento Intensivo (CTI), um dia em um quarto no hospital e agora se recupera em casa.

TIRO NA CABEÇA

A bala retirada da cabeça de Mateus deve ser encaminhada para a Polícia Civil de Cabo Frio para investigar o caso. Nenhuma ocorrência envolvendo tiros foi registrada no dia, segundo a Polícia Militar informou ao g1.

Ainda não há suspeitas de quem pode ter efetuado o disparo. A mãe do estudante, Luciana Facio, relata que a família viveu momentos de preocupação e acredita que o filho 'nasceu de novo'.

A situação ajudou o estudante a ter certeza de uma mudança profissional. Antes graduando de administração, o jovem trancou o curso e se matriculou em medicina em dezembro. "Mal sabia que ia acontecer tudo e, no hospital, no tempo que fiquei internado, vi que era o que realmente eu queria para minha vida”, contou.

Fonte: Diário do Nordeste

Postar um comentário

0 Comentários