Header Ads Widget

Últimas notícias

6/recent/ticker-posts

Mulher mora em cemitério no Ceará há 21 anos: 'tenho medo de quem está vivo'

Foto: Reprodução

Maria Trindade da Silva, 64 anos, reside há 21 anos em uma casa situada dentro de um cemitério, em Iguatu, no interior do Ceará. Ela mudou-se para o local com o marido, Francisco de Assis Vieira Sobral, que trabalhava como coveiro. Ele faleceu há três meses, aos 61 anos, devido a complicações decorrentes da diabetes e problemas no pâncreas. Desde a morte de Francisco, Maria enfrenta dificuldades financeiras.


Maria Trindade da Silva, 64 anos, reside há 21 anos em uma casa situada dentro de um cemitério, em Iguatu, no interior do Ceará. Ela mudou-se para o local com o marido, Francisco de Assis Vieira Sobral, que trabalhava como coveiro. Ele faleceu há três meses, aos 61 anos, devido a complicações decorrentes da diabetes e problemas no pâncreas. Desde a morte de Francisco, Maria enfrenta dificuldades financeiras.


Maria e Francisco se conheceram em setembro de 2002. Antes de se mudarem para o cemitério, eles moraram em várias casas alugadas. Quando Francisco começou a trabalhar como coveiro, surgiu a oportunidade de se mudar para o local.


Inicialmente, Maria tinha receio de dormir no cemitério, temendo que as almas pudessem “puxar seus pés”.


“Eu pensava que não ia dormir à noite. Imaginava que as almas vinham puxar meus pés. Mas nunca aconteceu, e nunca vi nada que me assombrasse. Ando qualquer hora da noite aqui e olha que é escuro que só. Mas não tenho medo de quem morreu, tenho medo de quem está vivo”, explicou Maria.


A casa onde Maria mora é simples e cheia de gatos e cachorros, além de outros animais abandonados que ela cuida, somando mais de 100.


A residência fica de frente para a rua e é separada dos túmulos por um portão. Com o passar do tempo, o casal se adaptou à rotina do cemitério, embora tenham enfrentado dificuldades, como a presença de insetos e aranhas-caranguejeiras, que provocaram uma forte alergia em Maria.


“Elas saem de dentro dos túmulos, e sou alérgica. Peguei uma alergia muito forte, e acabei mudando para outra casa por um tempo. Mas voltamos de novo. A gente foi se habituando. Hoje, está diferente, porque ele [o marido] era a única pessoa que tinha na vida”, desabafou.


Fonte: Metrópoles

Postar um comentário

0 Comentários